7.9.06

Filhos

Filhos,
melhor não tê-los.
Sobrevivemos
sem saber.
Não quero ter
essa sensação.
Ser,
outro ser.
Vida, outra vida,
continuação.
Não quero ter
Filhos.

30/01/2001

3 comentários:

Sergio Leo disse...

Só para discordar, Nat, querida:


Filhos
preocupações
canções
amores
surpresas
dissabores
emoções
amores amores
dores, felicidade
só eles nos fazem entender
a humanidade

Anônimo disse...

Vou ter que discordar. Filhos sim, melhor tê-los. Amo os meus e os de outros, faça-os meus a vida, ou não.

Andre Blak disse...

Era uma vez um homem igual a maioria dos que existem por aí.
Em busca de conforto familiar e estabilidade, casou-se.
Viveu momentos de euforia intercalados com probleminhas rotineiros da vida a dois.
Alguns anos depois, junto com sua cara metade decidiu procriar.
Da relação, nasceu a menina mais linda do mundo aos olhos dos pais e mais alguns familiares e amigos próximos.
Primeiro veio a euforia, depois a nova rotina e, finalmente, o peso da responsabilidade.
Até que caiu na real, se desesperou e passou a ter como desejo único voltar a ser adolescente.
O desejo virou obsessão, a obsessão virou pânico e o pânico virou depressão.
Jogou tudo pro alto, largou carreira, amigos e se mandou de casa.
Após algumas noites em claro, chegou a conclusão que era impossível viver longe da única coisa relevante que fizera na vida, uma outra pequena vida.
Voltou pra casa e resolveu viver feliz para sempre até que a sua filha virasse adolescente e lhe dissesse o inevitável:
- Porra pai, qual é? Me deixa em paz!
Ainda assim, no fundo do seu coração, estaria feliz diante de qualquer patada que sua cria pudesse lhe proferir.
Isso é ter filhos, aliás, filha.