28.12.07

Feliz 2008

"Desejo a todos, no ano novo, muitas virtudes e boas ações e alguns pecados agradáveis, exultantes, discretos e, principalmente, bem sucedidos".
(Rubem Braga)

Este blog entrará num pequeno recesso... Existem paraísos que não possuem wireless. Vai ver é por isso que eles são paraísos...

Mais...

27.12.07

Papo de Bar



2007: Boquete.
2008: Coito.
2009: 69.
2010: Da cabeça aos pés.
2011: Ah, vai se fuder, porra!

Moral da história: Gentileza gera gentileza. Gentileza demais gera putaria.
Ou: Tudo termina em sexo.
Regado a muito álcool, claro.

Mais...

Papo de Amigo 2

(Mulher) _ Tô com fome!
(Homem) _ Ok. Vamos para o Motel.
(Mulher) _ Bora. Mas tenho que voltar cedo porque eu vou trabalhar amanhã.
(Homem) _ Opa, já é.
(Mulher) _ Se bem que até você chegar aqui já ficou tarde.
(Homem) _ Ótimo, já vai ser 2008 (risos)
(Mulher) _ (risos)
(Homem) _ Você não me levou a sério.
(Mulher) _ Tá carente assim é? Pra me convidar pra ir ao Motel?
(Homem) _ Eu fiz uma brincadeira.
(Mulher) _ Ainda bem. Porque eu também estava brincando...
.
.
.
(Homem) _ Engraçado, eu nunca fiz convite para ir ao Motel a qualquer pessoa.
(Mulher) _ É, eu sei, você não suporta motéis.
(Homem) _ Eu?
(Mulher) _ É, você.
(Homem) _ Análise do passado? (silêncio) Os tempos mudam...
(Mulher) _ Você me disse há pouco tempo que ainda não gostava.
(Homem) _ É o "charme".
(Mulher) _ Bem, eu A M O!!!!!
(Homem) _ Sim, você ama. (É, eu sei... Desde aqueles tempos em que eu ainda não gostava...) (silêncio)

Outro papo de amigo, aqui!

Mais...

26.12.07

Papos alheios


Cenário: Ônibus lotado, há umas semanas atrás.

Personagens: A mãe e a filha grávida. Eu, como ouvinte discreta.

Cena: Sentadas no último banco do ônibus, a grávida, a mãe e eu. Nessa ordem. A grávida segura uma revista de quartos de bebê.

Diálogo:

(Filha) _ Olha que lindo esse fusquinha de lembrancinha...
(Mãe) _ É.
(Filha) _ Eu quero tudo azul.
(Mãe) _ É... Você preferia menina né?
(Filha) _ Às vezes sim, às vezes não. Menina dá muito trabalho. Tem que ter muita coisa.
(Mãe) _ É.
(Filha) _ O que você acha de João Pedro?
(Mãe) _ ...
(Filha) _ Se bem que João Pedro é o nome da filha da Aninha. Pensei em João Vítor então.
(Mãe) _ Tem que ser João?
(Filha) _ Sim.
(silêncio)
(Mãe) _ E tem que ser nome duplo?
(Filha) _ Sim.
(silêncio)
(Mãe) _ Você não tem cuidado da sua beleza. Olha esse cabelo, está uma palha.
(Filha) _ É.
(Mãe) _ Você não está feliz.
(Filha) _ Eu estou feliz com meu filho, mas não estou feliz comigo nem com a família do meu marido.
(silêncio)
(Mãe) _ Isso é porque o Rodrigo não bota dinheiro na tua mão. Se ele botasse dinheiro na sua mão, você ia lá, fazia uma escova e ficava feliz rapidinho...

Mais...

25.12.07

Como chegar ao paraíso... parte I



Tome fôlego, você vai precisar...
Suba 12 quilômetros de estrada, em curvas, admirando cada centímetro. Se preciso for, desça e suba de novo.
Chegue na cidade. Admire a simplicidade das coisas e vá passando. Quando achar que já viu tudo de mais lindo possível, pare e saia do carro, dê umas tossidas boas. Sim, é ar puro. Dos bons.
Sinta o vento frio entrando pelas narinas e saindo pela boca. Frio, apesar do sol estonteante. Esfregue as mãos, sinta o calor da felicidade.
Acorde cedo, antes das seis da manhã. Pegue seu baldinho, seu banquinho e vá tirar leite da vaca. Mesmo que você não costume beber leite, aprecie. É quente e forte. Vai te animar.
Depois de tomar ânimo, pegue uma maçã, na árvore, e vá dar uma caminhada, pra ver o sol nascer.
Sente na grama e sinta os raios de sol chegarem ao seu corpo, um de cada vez. Sinta ele chegando aos dedos do pé, subindo lentamente até chegar ao seu rosto. Deixe o sol iluminar seu rosto. Sorria.
Volte para casa. Sente-se na mesa de madeira grande, sinta o cheiro do café, da broa.
Cozinhe o aipim amarelo que você colheu ontem até ficar desmanchando na boca. Passe uma manteiga caseira por cima dele, e o devore.
Deite-se na rede pra descansar. Deixe a brisa suave te balançar até cair no sono.
Quando acordar pegue um cavalo e vá dar uma volta beirando o rio. Quando cansar, dê um mergulho na cachoeira ao lado.
Deixe que a água lave, e leve, seus problemas. Saia de lá renovado.
À tardinha, caminhe até o morro mais alto com uma toalha de piquenique, umas frutas, um bom vinho e uma boa companhia.
Sinta o sol se despedindo. Ouça as cigarras fazendo seu louvor a ele.
Quando a noite chegar, pode ter certeza, você vai sentir que chegou ao paraíso...

Mais...

24.12.07

As homenagens nunca deveriam ser póstumas...



Oscar Peterson no piano, Ray Brown e Niel Pedersen no baixo apresentando "You Look Good To Me", de Clement Wells, no Festival de Jazz de Montreal em 1977. Esta canção está no DVD "Norman Granz Jazz In Montreal Presents Oscar Peterson Trio '77"

Mais...

Carne de Segunda...

... porque gente como eu se alimenta de cérebros.

Thiago de Mello

Os Estatutos do Homem (Ato Institucional Permanente)
A Carlos Heitor Cony


Artigo I
Fica decretado que agora vale a verdade.
agora vale a vida,
e de mãos dadas,
marcharemos todos pela vida verdadeira.

Artigo II
Fica decretado que todos os dias da semana,
inclusive as terças-feiras mais cinzentas,
têm direito a converter-se em manhãs de domingo.

Artigo III
Fica decretado que, a partir deste instante,
haverá girassóis em todas as janelas,
que os girassóis terão direito
a abrir-se dentro da sombra;
e que as janelas devem permanecer, o dia inteiro,
abertas para o verde onde cresce a esperança.

Artigo IV
Fica decretado que o homem
não precisará nunca mais
duvidar do homem.
Que o homem confiará no homem
como a palmeira confia no vento,
como o vento confia no ar,
como o ar confia no campo azul do céu.

Parágrafo único:
O homem, confiará no homem
como um menino confia em outro menino.

Artigo V
Fica decretado que os homens
estão livres do jugo da mentira.
Nunca mais será preciso usar
a couraça do silêncio
nem a armadura de palavras.
O homem se sentará à mesa
com seu olhar limpo
porque a verdade passará a ser servida
antes da sobremesa.

Artigo VI
Fica estabelecida, durante dez séculos,
a prática sonhada pelo profeta Isaías,
e o lobo e o cordeiro pastarão juntos
e a comida de ambos terá o mesmo gosto de aurora.

Artigo VII
Por decreto irrevogável fica estabelecido
o reinado permanente da justiça e da claridade,
e a alegria será uma bandeira generosa
para sempre desfraldada na alma do povo.

Artigo VIII
Fica decretado que a maior dor
sempre foi e será sempre
não poder dar-se amor a quem se ama
e saber que é a água
que dá à planta o milagre da flor.

Artigo IX
Fica permitido que o pão de cada dia
tenha no homem o sinal de seu suor.
Mas que sobretudo tenha
sempre o quente sabor da ternura.

Artigo X
Fica permitido a qualquer pessoa,
qualquer hora da vida,
uso do traje branco.

Artigo XI
Fica decretado, por definição,
que o homem é um animal que ama
e que por isso é belo,
muito mais belo que a estrela da manhã.

Artigo XII
Decreta-se que nada será obrigado
nem proibido,
tudo será permitido,
inclusive brincar com os rinocerontes
e caminhar pelas tardes
com uma imensa begônia na lapela.

Parágrafo único:
Só uma coisa fica proibida:
amar sem amor.

Artigo XIII
Fica decretado que o dinheiro
não poderá nunca mais comprar
o sol das manhãs vindouras.
Expulso do grande baú do medo,
o dinheiro se transformará em uma espada fraternal
para defender o direito de cantar
e a festa do dia que chegou.

Artigo Final.
Fica proibido o uso da palavra liberdade,
a qual será suprimida dos dicionários
e do pântano enganoso das bocas.
A partir deste instante
a liberdade será algo vivo e transparente
como um fogo ou um rio,
e a sua morada será sempre
o coração do homem.

Mais...

Feliz Natal



A última lembrança realmente natalina que tenho, de dormir na noite do natal e acordar com presentes, é de quando eu tinha uns cinco anos, no máximo. Na verdade, embora este Natal a que eu me refiro tenha existido, não sei precisar se eu lembro mesmo ou se é tudo imaginação ou sonho...

Me lembro do cheiro de comida na casa, dos presentes em cima da cristaleira (acho que o nome é etajer) de vovó, a árvore ao lado, e pernas. Muitas pernas no sofá.

Por só me lembrar de pernas é que calculo que eu era ainda muito nova pra me lembrar tão bem, mas é só fechar os olhos que eu vejo as luzes piscando, a risada da minha avó conversando animadamente com a irmã dela, tia Maria. E meu tio Dario com aquela cara de mau que me dava medo, ao lado delas.

É uma lembrança boa, muito boa, mas a única que tenho. Depois disso os Natais eram só presentes, e férias, ou seja, esperava-se o Natal como se esperava um piquenique na Mata, que era o ponto alto das férias na fazenda.

Depois minha memória dá um salto até o meu Natal, aos 12 anos. Minha avó tinha morrido em Abril, e a madrinha dela ainda morava com a gente. Dinda morreu no dia de Natal e então fomos pra fazenda, com o resto da família. Foi a primeira vez que me lembro de ter visto um Papai Noel entregando presentes, e as crianças alvoroçadas com aquela figura meio enigmática.

Aquela risadaria, aquela corrida pra pegar o seu presente, a emoção no rosto das crianças ao ouvir seu nome, a pressa em abrir o pacote, em rasgar a embalagem, em brincar com tudo que recebeu imediatamente...

Para uma criança com educação católica rigorosa, não sentir o "espírito de natal" era uma coisa meio complicada dentro da minha cabeça, mas com o tempo, e com a descoberta do que era realmente o Natal, era fácil aceitar que Natal para mim não tinha o mesmo significado que para os outros. Porque o Natal é feito de hábitos e costumes e eu não tinha boas lembranças daquelas que a gente carrega para toda a vida, mesmo que irracionais aos nossos próprios olhos, e acaba acreditando nelas, até mesmo sem querer.

Hoje em dia eu conto os dias para o Natal. Acabei virando a Mamãe Noel dos encontros da minha família, que são sempre antecipados, para que todos possam ir. A família tem crescido, temos novos bebês, novas crianças, e a cada ano que passa vai ficar mais prazeroso ver a alegria delas. Já faço isso há bastante tempo, e pensei em me "aposentar" no ano que vem, mas a minha sucessora virou-se pra mim e disse:

_ Natalia, não existe ninguém que tenha mais alegria em ser Mamãe Noel do que você.

E é verdade. E essa alegria nunca precisou de uma data para existir.

Mais...

23.12.07

Um lugar onde a palavra é arte.

Preciso dizer algo mais?




"De vez em quando sou acusado de saudosismo, se como saudade fosse uma coisa vergonhosa." Gilberto Freyre







Mais...

Devaneios cabeludos...

Como sentir, Cristina Lamas, 2002.


Os cabelos só servem para se fazer desenhos nos azulejos do banheiro. Desenhos estes que serão destruídos pela água, e se transformarão de obra de arte à peruca de ratos de esgoto.

Mais...

22.12.07

Da explicação das coisas inexplicáveis...

... ou devaneios idiotas pra passar o tempo.


Saguão do aeroporto lotado. Filas e mais filas de pessoas com sentimentos diversos. Poucos são os que conseguem se descontrair do ambiente. A maioria se irrita, e acaba descontando em quem não tem nada a ver com a história.

Mas tudo bem, descontar nos outros faz parte da frustração de cada um.

Bem, mas o que eu ia dizer é que essa cena me faz pensar em explicações para coisas inexplicáveis.

O teletransporte, por exemplo... Por que ainda não o inventaram? Ao invés disso ficamos apinhados para pegar um treco chamado avião, que dá nervoso pra subir, nervoso pra plainar e nervoso pra descer. Fico pensando em qual vai ser a sensação de se desmolecularizar e se remolecularizar novamente... Será que vai dar frio na barriga? Sensação de enjôo? Será que corremos o risco de voltar com a orelha no lugar do nariz e vice-versa?
Bem, são só conjecturas...

Outra coisa que eu não me conformo é com o motor dos dentistas. Há muitos anos atrás eu ouvi falar de um laser que fazia exatamente o mesmo serviço e, claro, sem barulho. Além dele existia uma broca de diamante sintético que reduzia o barulho em 80%, diziam. Em 2000, mais ou menos, também li sobre um gel que eliminava cáries sem a necessidade da broca, só na hora da restauração, o que já seria um alívio. Mas nenhuma das três coisas pegou.

Eu não sei se ia ser a mesma coisa ir ao dentista sem o motor, mas desde que quebrei meus dentes da frente numa queda absolutamente esquisita e inacreditavelmente inexplicável, ainda pequena, e por causa deles frequento o dentista muito mais regularmente do que uma pessoa normal, eu sonho com um motorzinho silencioso. Ah, ou então um que tocasse Mozart, já pensou? Sensacional...

Existem muitas outras coisas inexplicáveis. Por que as mulheres não fazem xixi em pé? Por que os homens não têm orgasmos múltiplos? Por que o Brad Pitt não é o meu namorado? E por que a Angelina Jolie, aquela deusa, é mulher dele? Por que o Tom Cruise é um babaca? Por que os homens inteligentes são problemáticos, ou não estão a fim de você? Por que fazer sexo engravida (ok, isso eu sei, claro, mas engravidar poderia ser de uma maneira menos prazerosa...)? Por que a gente não nasce com 15 anos e morre com 1500, mas como se tivesse 40?

Mas as mais inexplicáveis numa lista de dez são: Por que não inventam uma Coca-cola que não engorda e um cigarro que não faz mal?????? Ok, vocês vão argumentar que já existe a Coca-cola Zero, que é muito melhor do que a Light, mas, quem é tão cocacólatra quanto eu sabe que quem gosta de coca-cola de verdade não consegue beber a Zero, nem fudendo.
O cigarro, ah, o cigarro... Essa é a Top Ten hehehe. Mas eu nem quero pensar nisso, porque não posso fumar agora, nem que inventassem um cigarro anti-oxidante...

Mais...

21.12.07

Música de Sexta


Nunca
Lupicínio Rodrigues

Nunca
Nem que o mundo caia sobre mim
Nem se Deus mandar
Nem mesmo assim
As pazes contigo eu farei
Nunca
Quando a gente perde a ilusão
Deve sepultar o coração
Como eu sepultei
Saudade
Diga a esse moço por favor
Como foi sincero o meu amor
Quanto eu te adorei
Tempos atrás
Saudade
Não se esqueça também de dizer
Que é você quem me faz adormecer
Pra que eu viva em paz

Mais...

20.12.07

Silêncio

Existem pessoas que conseguem transformar o silêncio em diálogo. O Andrucha Waddington é muito bom nisso, principalmente no filme Casa de Areia. Vale conferir:



O silêncio não é a minha forma preferida de comunicação. Eu até entendo que ele possa significar uma infinidade de coisas, mas eu tenho medo da distância que ele provoca.
Se for pra sonhar, eu prefiro acordar num abismo de palavras, mesmo que ásperas, e não de silêncio.
Não adianta compreender o mundo, se não se consegue comunicar e interagir com ele...

Mais...

19.12.07

Terremoto Particular



Ela sentou no banco. Tinha um rosto belíssimo, calmo, mas eu notei algo estranho nela. As mãos tremiam, compulsivamente. Seus olhos iam de um lado a outro, olhando tudo, mas sem encarar nada. Sempre fugindo.

Fiquei imaginando essa mulher por dentro. O sangue, as veias, o corpo, a pele, toda pulsando, vibrando, prestes a ter sua rocha finalmente rompida, pra dessa falha surgir o tremor.

As pessoas que tremem me dão a impressão de que, ou vão explodir, ou desabar. E mesmo não gostando de nenhum dos dois grupos, prefiro o primeiro. É mais fácil ajudar quando há destroços visíveis.

Uma amiga me disse uma vez: _Tenho medo das pessoas que tremem, sabe? Já conheci pessoas assim, o suficiente, para não deixar de concordar com ela.

Mais...

17.12.07

A perda do senso crítico


Ontem fui fazer um programa típico de amiga: Assistir à uma apresentação de dança de final de ano. E ela tinha que ser, e é, muito amiga mesmo, para que eu conseguisse aguentar duas horas de extensa programação, e vê-la se apresentar na antepenúltima coreografia.
A amiga em questão faz dança contemporânea e a apresentação dela foi belíssima,valeu a pena ter visto.
Tirando o fato de que era no Teatro Municipal de Niterói, absolutamente deslumbrante, e que me perdi alguns minutos reparando nos detalhes dos ornamentos dourados e detalhados do teto, o resto do espetáculo eu passei pensando, entre uma olhadela fingida e outra, no senso crítico coletivo.
Quando se é criança, o senso crítico é meio nulo. Na verdade, quando descobrimos o que é errado ainda não temos vergonha por fazê-lo. Apenas medo de um castigo.
Quando se é adolescente o senso crítico é meio maleável. Vira o tal do semancol. O nível de crítica pessoal varia muito se estamos ou não a fim do menino da sala, e pode ser cruel quando se é o esquisito em busca de um grupo.
Quando viramos adultos o senso crítico fica mais apurado, ou mais fingido. A sociedade nos impute o que é vergonhoso ou aceitável.
Agora, quando viramos pais, o senso crítico conquistado ao longo dos anos, no que se refere aos filhos, vai todo por água abaixo...
Que o digam as palminhas, os gritinhos e os milhões de flashs histérico-entusiasmados para aquelas criaturinhas mostrengas de seus cinco anos no máximo, todas empetecadas e dançando desconjuntadamente ao som de uma musiquinha meio ridícula e chata.
Um verdadeiro espetáculo...

Mais...

Carne de Segunda...

... porque gente como eu se alimenta de cérebros.

Fernando Pessoa

"…Desde criança tive a tendência para criar em meu torno um mundo fictício, de me cercar de amigos e conhecidos que nunca existiram. (Não sei, bem entendido, se realmente não existiram, ou se sou eu que não existo. Nestas coisas, como em todas, não devemos ser dogmáticos.) Desde que me conheço como sendo aquilo a que chamo eu, me lembro de precisar mentalmente, em figura, movimentos, carácter e história, várias figuras irreais que eram para mim tão visíveis e minhas como as coisas daquilo a que chamamos, porventura abusivamente, a vida-real. Esta tendência, que me vem desde que me lembro de ser um eu, tem me acompanhado sempre, mudando um pouco o tipo de música com que me encanta, mas não alterando nunca a sua maneira de encantar."

"Fiz de mim o que não soube,
E o que podia fazer de mim não o fiz.
O dominó que vesti era errado.
Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me.
Quando quis tirar a máscara, Estava pegada à cara.
Quando a tirei e me vi ao espelho,
Já tinha envelhecido,
Estava bêbado, já não sabia vestir o dominó que não tinha tirado.
Deitei fora a máscara e dormi no vestiário
Como um cão tolerado pela gerência
Por ser inofensivo.
E vou escrever esta história para provar que sou sublime"

---

Carta a Casais Monteiro (13-1-1935)

Tabacaria, A.Campos

Mais...

14.12.07

Música de Sexta

Alma Nova
Zeca Baleiro


Sempre que te vejo assim
Linda, nua
E um pouco nervosa
Minha velha alma
Cria alma nova
Quer voar pela boca
Quer sair por aí...
E eu digo

Calma alma minha
Calminha!
Ainda não é hora
De partir...

Então ficamos
Minha alma e eu
Olhando o corpo teu
Sem entender...
Como é que a alma

Entra nessa história
Afinal o amor
É tão carnal...

Eu bem que tento
Tento entender
Mas a minha alma
Não quer nem saber
Só quer entrar em você
Como tantas vezes
Já me viu fazer...

Eu digo
Calma alma minha
Calminha!
Você tem muito
Que aprender...

Mais...

13.12.07

Casamento


Ana era uma mulher sem muitos princípios.

Quando foi pedida em casamento, seus olhos se iluminaram, sua vida se tornou fértil e propensa a dar certo de uma hora pra outra. Seus gestos se amainaram, suas roupas alongaram, seu jeito ficou calmo e suas palavras mais requintadas.

Além de fácil ficou falsa.

Toda mulher, por mais fácil que seja, sonha em ser querida, amada, pedida e desejada. Toda mulher sonha em pegar o buquê da noiva, rouba um bem-casado com esperança e faz simpatias em noite de ano novo.

Todo homem quer casar pra ter uma esposa de brinquedo, um bibelô pronto a esperá-lo e aguentá-lo até altas horas com uma desculpa qualquer.

Ana estava disposta a isso. Estava cansada da sua vida fútil, sem sentido. Disposta a cozinhar, lavar, passar, arrumar o dia inteiro e estar fresca e límpida à noite, como se nada tivesse feito, para que o seu homem se dispusesse dela como bem entendesse.

Esperava em troca somente algum carinho e pouca compreensão.

Mas Ana era uma moça sem princípios.

Passado o primeiro ano, o pouco carinho acabou, e a compreensão, que na verdade nunca existiu, estava longe demais para ser alcançada.

Ana ficava na janela martelando consigo mesma... Vou dar pro primeiro que passar, só de raiva. Na esquina sempre estava seu vizinho, Martim. Homem sério e gostoso, era o que importava.

Martim passava todo dia às seis horas na janela. E todo dia Ana estava ali para vê-lo passar.

_ Bom dia, Senhor Martim!
_ Bom dia, Dona Ana!

Os dias se passaram, até que Dona Ana teve coragem para chamá-lo para um café.

Muitos cafés depois, Dona Ana disse:
_ Bom dia, Senhor Martim! O que o senhor acha de entrar, tomar um café e depois me comer alucinadamente?

O senhor Martim nem precisou responder. Se embola no fogo de dona Ana sempre que consegue um tempo livre.
O marido de dona Ana vive feliz pelas ruas, e se gaba aos amigos de ter domado a fera que é a mulher...

Mais...

12.12.07

liberdade


Ia pra cama com ele como se não fosse vê-lo nunca mais. E era uma última vez.

A próxima sempre vinha, um dia, um mês ou um ano depois, mas poderia não vir, e precisava se acostumar com isso.


Alguns anos se passaram e ainda ansiava ter o maior prazer de sua vida, novamente, pela última vez.

Um dia deitou-se com ele sem se importar se o veria de novo ou não. Não dependia mais dele pra se sentir viva.

Acabou o prazer.

Mais...

10.12.07

Síndrome da Mão Alheia

Minha amiga Natalia, com quem eu tenho o livro "Natalia e Natalia e a origem de todas as coisas", vive contando a história do documentário que ela viu não sei aonde, deve ser no Discovery Channel, sobre a Síndrome da Mão Alheia. Claro que a gente vive zuando ela por causa disso, embora a síndrome exista mesmo, e se chame Alien Hand Syndrome.

Eu acho que tenho a síndrome do cigarro alheio... Eu nunca quis parar de fumar, mas às vezes eu me pego pensando que eu preciso urgentemente parar de fumar, aí antes de dormir eu fico mentalizando, hoje eu vou parar de fumar, hoje eu vou parar de fumar, hoje eu vou parar de fumar, quase um mantra desesperado. Aí eu acordo, vejo minha madrinha fumando, e acendo um cigarro automaticamente. Essa é a síndrome do cigarro alheio.

Existem pessoas que têm síndrome do namorado alheio. Síndrome do carro alheio. Síndrome do jogador de futebol alheio. Enfim, tudo que é alheio é mais gostoso. Regra básica.

Mas, na verdade, estava me lembrando disso quando me veio à cabeça a idéia de que existem partes de mim que eu não controlo, e nem é o que vocês estão pensando... O coração, por exemplo. Acho que eu sofro da síndrome do coração alheio. Ele sempre faz coisas que eu não quero. Eu não o controlo...

A diferença é que quem tem a síndrome da mão alheia não pode controlá-la. Talvez eu possa controlar meu coração, mas não quero, simplesmente.

O pior é que isso tudo dá na síndrome do sofrimento alheio... Essa é foda!



Bem, como tudo é alheio hoje em dia, agradeço o conhecimento alheio, no caso o do Adamastor, que me ensinou a colocar o vídeo aqui. Coisa básica, mas que a tapada aqui não sabia fazer... Valeu Dama!!!!

Mais...

9.12.07

Desencannes

K Y

DELIRIUS SEX SHOP


(Pode engolir que não engravida)
POST DRILL - Pílula do Dia Seguinte


COLGATE


SUPER 8 MOTEL



Mais...

Antítese



Antítese

do Lat. antithese < Gr. antíthesis, oposição
s. f., Ret.,
oposição entre idéias ou palavras;
por ext. contrário.

Ela o viu chegando em seu cavalo branco de palavras amorfas, todas deturpadas pelo sentido que seu coração queria lhes dar. Seu corpo inteiro tremeu invadida por uma onda letárgica de verbos e conjunções, estruturas morfossintáticas e concordâncias gramaticais.

A língua sempre prega peças delicadas e tênues, invisíveis. A palavra cantada sempre fora música aos seus ouvidos, e o trovador cheio de cânticos, um posseiro indetectável antes de reforçar seus alicerces duradouros e dolorosos.

Suas formigas operárias trabalharam incessantemente em construir a torre onde se aprisionaria pelo tempo de uma eternidade. E suas longas tranças teimaram em curvar-se aos céus, para que jamais chegasse ao chão novamente.

A felicidade parecia querer lhe servir de ama, mas a tristeza e o medo jamais abandonaram seu criado-mudo. A esperança lhe serviu de espelho, refletindo a amargura em sua cama. E então ela abraçou o inimigo, planejando fugir com ele para o reino das ilusões...

O castelo desabaria, as tranças seriam cortadas, as formigas esmagadas, as palavras esquecidas, o cavalo esfumaçaria, e o príncipe seria alvo de um raio fulminante da ira de Zeus.

As idéias virariam luxo, as artes virariam tapetes, as canções virariam cantigas, e as concordâncias se enterrariam a sete palmos do chão, bem próximas do inferno.

O inimigo era feito de ausência, de silêncio e de solidão.

Mais...

7.12.07

Música de Sexta


Formato Mínimo
Samuel Rosa - Rodrigo F. Leão


Começou de súbito
A festa estava mesmo ótima
Ela procurava um príncipe
Ele procurava a próxima

Ele reparou nos óculos
Ela reparou nas vírgulas
Ele ofereceu-lhe um ácido
E ela achou aquilo o máximo

Os lábios se tocaram ásperos
Em beijos de tirar o fôlego
Tímidos, transaram trôpegos
E ávidos, gozaram rápido

Ele procurava álibis
Ela flutuava lépida
Ele sucumbia ao pânico
E ela descansava lívida

O medo redigiu-se ínfimo
E ele percebeu a dádiva
Declarou-se dela, o súdito
Desenhou-se a história trágica

Ele, enfim, dormiu apático
Na noite segredosa e cálida
Ela despertou-se tímida
Feita do desejo, a vítima

Fugiu dali tão rápido
Caminhando passos tétricos
Amor em sua mente épico
Transformado em jogo cínico

Para ele, uma transa típica
O amor em seu formato mínimo
O corpo se expressando clínico
Da triste solidão, a rúbrica

Mais...

4.12.07

As invenções que deveriam ser inventadas


Hoje, contrariando meus padrões de refeições saudáveis no almoço, eu fui comer no Mc Donald's. Como almoço geralmente sozinha, sempre leio as toalhinhas da bandeja para passar o tempo. E qual não foi a minha surpresa quando vi a desse mês. Fiquei encantada com a criatividade do pessoal que a criou.

O título é "As invenções que deveriam ser inventadas", e eu me amarrei no Spam Conversor de Luxe, que promete transformar 'spams' em dinheiro ;- )

Pesquisando na web, descobri que quem desenhou as simpáticas invenções foi o Hiro. Vale a pena dar uma conferida no blog do cara, muito bom!




Mais...

2.12.07

Jardim das Delícias


Ela acordou assustada com um cheiro de rosas. Mal presságio. Cheiro de rosas é o cheiro dos mortos. Mas por que diabos cheirariam bem os mortos, depois de toda a putrefação dos corpos? Idiota, pensou ela, é o cheiro da alma, não do corpo. Os corpos fedem, mas as almas não. Será? Tem muita alma podre por aí...

Parou para refletir qual cheiro teria a sua alma. Queijo suíço, imaginou. Dizem que fede, mas ela nunca tinha comido. Odiava queijos, mas se lembrou daquele biscoitinho isopor de queijo suíço que tinha que comer com o nariz tampado, e concluiu que isso era a coisa mais fedida que conhecia, mais do que chulé.

Além disso, queijo suíço era todo furado, pelo menos nos desenhos que tinha visto. Uma alma fedida e furada era tudo o que ela tinha. Analogia mais do que perfeita, e sorriu...

Cada homem que passava pelo seu corpo o tornava ainda mais firme. Mas deixava um buraco na sua alma, tal como um cigarro fazendo uma carinha triste nos plásticos dos maços.

Já tinha perdido a conta de quantos buracos tinha na alma, mas sabia que ainda poderia ter muitos mais. Alimentava o corpo definhando a alma. E no fim, a ironia da vida faria com que só o definhado sobrevivesse. A alma sobrepujaria-se à vida. O corpo não.

O dia de abrir mão do seu jardim das delícias ainda estava longe, mas tremia ante a possibilidade de trocar suas inúmeras flores por rosas apenas.

Odiava rosas e seus muitos significados. Aprendera ao longo dos anos que tudo que vinha carregado de significados não prestava, era inútil. Como se o amor pudesse ser simbolizado por uma mísera flor. Como se o ato de arrancá-la da sua terra e destiná-la à morte em algumas horas pudesse simbolizar um sentimento tão nobre quanto o amor.

Digno de gargalhar até revirar o estômago, e de revirar o estômago até sufocar de engulhos.
Nojo. Ela tinha nojo do amor, e da ausência de felicidade que sua busca representava. Das atrocidades que se faz com o corpo em nome do amor.

Qual seria o cheiro do amor? Certamente não seriam rosas. O amor fede mais do que qualquer alma podre.

Apagou o cigarro e voltou a dormir. Antes pensou que sua alma podia ter cheiro de tabaco. Muito mais agradável...

Mais...

1.12.07

Eu gosto de uma coisa errada - Parte II

Meu post Eu gosto de uma coisa errada deu o que falar.

Eu participo de uma comunidade do Orkut, onde eu citei o post que falava sobre o GPguia. Um dos membros da comunidade também é frequentador do fórum citado, e publicou nele meu post.
E levou depois o Adamastor pra lá também.

Então, já na boca do povo, me cadastrei no guia e dei a cara a tapa, devidamente protegida por um perfil anônimo, pra ficar nas mesmas condições que eles, claro. Fui chamada de "garota civil" e, confesso, levei mais cantadas lá do que na minha vida inteira.

Depois da euforia inicial, comecei a receber diversas dicas dos foristas de "causos" engraçados, segundo eles mesmos, até de um TD com uma muda. Realmente bizarra a história.

Se eu já achava tudo meio nonsense e divertido, a coisa ficou muito melhor... Teve uma Garota de Programa que disse que eu logo estaria no "mercado", e que ela também lia o guia antes de virar uma GP. Seguiu-se então uma pequena discussão sobre o fato de toda mulher, uma vez na vida, ter sonhado em ser uma puta, o que eu confirmei, com gosto.

Alguns reclamaram da excessiva exposição e publicidade, mas parece que se esqueceram de que o Fórum do qual participam é completamente público, e, de qualquer jeito, é anônimo. E eu ainda fui educada em não comentar os Nicks de quem falou as pérolas citadas.

Ao contrário destes, teve o Manda Bala, que não só quis saber se foi citado, como me fez prometer que falaria dele aqui, com link e tudo. Pronto, querido MB, está feito.

As cantadas foram um capítulo à parte. Todas bem humoradas e sugerindo que eu teria já um monte de BOPs e clientes caso quisesse me aventurar nesta área. Esses foristas me parecem um pouco carentes de mulheres com análise crítica e inteligência, mas quem não é? Sexo é bom até quando é ruim, mas poder conversar depois pode ser a linha que separa a primeira vez das próximas.

Esse contato mais direto com os caras me fez analisar muitas outras questões que necessitariam um post muito mais profundo do que este pretende ser. Em todo o caso, após a brincadeira de um amigo de que seria hilário se eu conhecesse meu futuro marido no guia, eu fiquei pensando se aceitaria numa boa, mesmo com todo meu pretenso liberalismo, que meu marido fosse notório comedor de GPs. Uma vez ou outra, de farra, eu levaria bem. Mas, revendo os números extensos de TDs desses caras, e sabendo que a maioria tem algum tipo de compromisso sério, namoradas ou mulheres, fiquei pensando se eu aceitaria (no caso de já saber ou de ficar sabendo) estar na situação delas.

Uma coisa é certa, eu prefiro saber. Isto é fato. Não nasci pra ser traída, não aceito esta opção, prefiro ser cúmplice.

Decidi terminar este post com mais algumas pérolas do guia, mas desta vez deixo vocês com as "tag lines" (mensagens no estilo assinatura, que cada forista deixa depois dos seus comentários ou TDs)

"Toda muié tem seu preço, mas algumas não valem nada!"

"Minha vida agora é cool. Meu passado é que foi trash."

"O autor da elaboração e publicação deste texto esclarece que esta é uma obra de ficção. Qualquer semelhança entre os fatos e nomes aqui contidos ou publicados, com a vida real, são mera coincidência. Exceto o aspecto de ser... lamentável."

"Não entende oq eu sou, não entende oq eu faço, não entende a dor e as lágrimas de um palhaço..."

"Sem ser eterno, eu eterno duro..."

"A vida é um eterno vai e vem de bucetas"

"Mulheres são como piscinas, possuem um custo de manutenção muito elevado se comparado ao tempo que ficamos dentro delas, por isso vale mais a pena entrar na dos outros."

"El tiempo está viviéndome" J. L. Borges - É por isso que ando ficando light...

"Women need a reason to have sex. Men just need a place. Billy Crystal"

"Cada um vende o que tem, em troca do que precisa"

"Não podemos comer todas as mulheres do mundo, mas devemos tentar."

"A única coisa que mudou em mim é que eu continuo o mesmo animal de sempre"

"Não acredito em Puta, quanto mais nos filhos delas"

"Cabeça pirada, eu ? Só a de baixo..."

"Somos desclassificados morais, mas não somos burros"

"Praga de puta, Deus escuta"

"Só existem duas classes de mulheres: as que me amam e as que não me conhecem. Quase esqueci , na verdade são três , tem as que me odeiam também."

"Recomendando bem, ninguém fica sem!!"

"Ter ciúme de mulher feia é como pôr alarme em Fiat 147."

"Seja lá o que for fazer nesta vida, faça bem feito!"

"Se uma árvore cair em meio a uma ilha deserta e não houver ninguém para vê-la ou ouvi-la cair, será que a árvore realmente caiu?"

"Com minha loucura faço meu dinheiro, com meu dinheiro faço minha loucura"

"O máximo de quantidade com um mínimo de qualidade..."

"EXISTE UM MANUAL PARA ENTENDER QUE PORRA DE MUNDO É ESSE ?"

"SE UM DIA UMA POMBA CAGAR NA SUA CABEÇA SORRIA.....ELEFANTES NAO VOAM"

"Quem acha tudo gozado........é a Faxineira do Motel"

"Provisionando o 13° para a putaria.....rs "

"SE VC É GORDO, BAIXINHO E POBRE, MESMO ASSIM TEM UM MONTE DE MINAS DANDO EM CIMA DE VOCÊ ; TENHA UMA CERTEZA VC MORA EM BAIXO DE UM PUTEIRO"

" Só é corno quem é curioso."

"A mulher é a melhor Caixa Econômica do mundo: ela abre o negócio, recebe o bruto, fica com o líqüido, faz o balanço e se botar na poupança ainda rende mais"

"eu? tenho 30 anos, a cidade está quatro ou cinco vezes maior, mas tão acabada quanto, e as garotas ainda cospem quando passo, outra guerra se cria por outra razão, e não consigo emprego agora pela mesma razão de outrora: não sei fazer nada, não consigo fazer nada." CHARLES BUKOWSKI

"Malandro é o gato que já nasce de bigode"

"PUTA é PUTA. Não entre em roubada: NÃO EXISTE EX-PUTA"

"Dizes que a beleza não é nada? Imagina um hipopótamo com alma de anjo... Sim, ele poderá convencer os outros de sua angelitude - mas que trabalheira!"

"Uma hora eu acerto. Se acertar, posso ficar até duas horas".

"Existem alguns segredos no mundo da putaria, que não se revela nem para os putanheiros"

"A diferença entre o homem e a mulher é que o pau que está entre as pernas do homem é sempre o mesmo."

"Enxugue-se bem depois do banho pois, o mosquito da dengue vai se reproduzir nos seus pneus molhados."

"DINHEIRO NA MÃO CALCINHA NO CHÃO DINHEIRO NÃO VIU CALCINHA SUBIU"

Mais...

A paixão segundo G. H.


Me lembro que eu devia ter uns nove anos. Eu devorava qualquer livro que aparecesse na minha frente. A estante da sala lá de casa era uma estante feita por mamãe, de tijolos vermelhos envernizados e prateleiras brancas.

As duas prateleiras de baixo da estante eram de livros meus, a próxima eram livros que mamãe achava que eu já podia ler. Acima destes vinham os proibidos. Não que tivessem me dito que eles eram proibidos, apenas não me eram recomendados, mas eles estavam tão fora de alcance que eu era sempre tentada a pegar um.

Não me lembro qual dia de semana era, mas eu estava à tôa em casa, já tinha lido e relido todos os meus livros. Eu era uma pessoa muito certinha, não gostava de cometer “delitos”, mas neste dia eu não sei o que me deu, peguei uma escadinha e me postei na frente dos livros proibidos tentando decifrá-los pelo título.

A emoção era muito grande. Me lembro não só de estar nervosa pelo desobedecimento de uma ordem de mamãe, mas como pela perspectiva de entrar num mundo novo e ler coisas sobre as quais eu não fazia a menor idéia.

Eu só podia pegar um livro, senão ia ser descoberta. Olhei sem demora cada um deles e escolhi um. É claro que não entendi quase nada do livro, e tive que lê-lo várias vezes depois. Mas foi Clarice Lispector, em seu fantástico “A Paixão Segundo G. H.”, que me ensinou que “o mundo não é humano. E que não somos humanos”.

Ela mudou a minha vida para sempre…


“…estou procurando, estou procurando. Estou tentando entender Tentando dar a alguém o que vivi e não sei a quem, mas não quem ficar como que vivi. Não sei o que fazer do que vivi, tenho medo dessa desorganização profunda. Não confio ‘lo que me aconteceu. Aconteceu-me alguma coisa que eu, pelo fato de não a saber como viver, vivi uma outra? A isso quereria chamar desorganização, e teria a segurança de me aventurar, porque saberia depois para onde voltar: para a organização anterior A isso prefiro chamar desorganização pois não quero não me confirmar no que vivi — na confirmação de mim eu perderia o mundo como eu o tinha, e sei que não tenho capacidade para outro.”

Mais...

Marion


"Será que a gente é louca, ou lúcida,
quando quer que tudo vire música?"

Parece inacreditável que ela tenha chegado em casa depois de tudo. Se pegou carona com um unicórnio ou um cometa, ninguém sabe. O fato é que flutuava, suspensa por linhas invisíveis aos olhos cegos de pecados. Parecia um anjo, mas alguns diziam que era um fantasma. Nunca mais foi a mesma, tinha metade da alma, um arremedo de corpo e suspiros cortados por soluços.
Metade triste, metade feliz.

"Eu dizia 'Apareça'
Quando apareceu
Não esperava
Um dia me beijou e disse:
'Não me esqueça'
Foi embora
e só esqueci metade..."

Parece inacreditável que ele nunca mais tenha saído de casa depois de tudo. Se ficou com medo ou em êxtase, ninguém sabe. O fato é que derretia, puxado por linhas invisíveis aos olhos cegos de crenças. Parecia uma nuvem, mas alguns diziam que era fumaça. Nunca mais foi o mesmo, tinha metade do corpo, um arremedo de alma e soluços cortados por suspiros.
Metade amargo, metade doce.

"Quando você me deixou, meu bem
Me disse pra ser feliz e passar bem
Quis morrer de ciúme, quase enlouqueci
Mas depois, como era de costume, obedeci"

Parece inacreditável que eles andem juntos. Se unem as mãos ou os medos, ninguém sabe. Ele derrete enquanto ela flutua, guiados por linhas invisíveis aos olhos cegos de linearidade. Pareciam anjos em nuvens, mas alguns diziam que eram fantasmas em fumaça. Nunca mais foram os mesmos, mas são corpo e alma, e suspiram e soluçam.
É amarga a tristeza e doce a felicidade.

"Ai! Canta a cavatina do delírio,
Ri, suspira, soluça, anseia e chora...
Marion! Marion...É noite ainda.
Que importa os raios de uma nova aurora?!..."


----
Créditos: Bagatelas, Roberto Frejat / Antônio Cícero.
Olhos nos olhos, Chico Buarque.
Boa Noite, Castro Alves em Espumas Flutuantes.

Mais...

30.11.07

Música de Sexta

Mais uma espetacular do Chico


Choro Bandido
Composição: Edu Lobo / Chico Buarque

Mesmo que os cantores sejam falsos como eu
Serão bonitas, não importa
São bonitas as canções
Mesmo miseráveis os poetas
Os seus versos serão bons
Mesmo porque as notas eram surdas
Quando um deus sonso e ladrão
Fez das tripas a primeira lira
Que animou todos os sons
E daí nasceram as baladas
E os arroubos de bandidos como eu
Cantando assim:
Você nasceu para mim
Você nasceu para mim

Mesmo que você feche os ouvidos
E as janelas do vestido
Minha musa vai cair em tentação
Mesmo porque estou falando grego
Com sua imaginação
Mesmo que você fuja de mim
Por labirintos e alçapões
Saiba que os poetas como os cegos
Podem ver na escuridão
E eis que, menos sábios do que antes
Os seus lábios ofegantes
Hão de se entregar assim:
Me leve até o fim
Me leve até o fim

Mesmo que os romances sejam falsos como o nosso
São bonitas, não importa
São bonitas as canções
Mesmo sendo errados os amantes
Seus amores serão bons

Mais...

28.11.07

Samba Rubro-Negro


Nos anos 50, Wilson Baptista e Jorge de Castro fizeram o “Samba Rubro-Negro” em homenagem ao Flamengo.

Aquele que dizia: “Flamengo joga amanhã e eu vou pra lá / Vai haver mais um baile no Maracanã / O Mais Querido tem Rubens, Dequinha e Pavão."

Fez sucesso e virou a trilha sonora do tricampeonato carioca de 53/54/55.Em 1979, João Nogueira deu nova cara à música, trocando os jogadores para Zico, Adílio e Adão. Cláudio Adão saiu, mas a equipe deslanchou e conquistou o Mundial em 1981.

Agora, no embalo da classificação à Libertadores, Diogo Nogueira, filho do João Nogueira, e também flamenguista, fez uma nova versão para o samba da sorte.


Versão do João Nogueira




A do Diogo

Mais...

27.11.07

Longa ausência


Oi povo, estive ausente resolvendo uns problemas do coração. Mas agora tô de volta, com tudo! ;- )


Deixo vocês com um presentinho: todos os pôsteres centrais da Playboy, desde Marilyn Monroe em 1953 até 2004.





Mais...

11.11.07

Achados e Perdidos

Hoje eu resolvi falar um pouco dos livros que descubro, totalmente por acaso, nos sebos da vida. Há muito que não compro os livros da moda, esses eu deixo pros familiares e amigos me darem de presente, senão não teria graça pra eles, tadinhos...
Como ando participando da política do 'Viva somente com o necessário', destinei apenas duas pratileiras das minhas estantes para livros (excluindo aí os didáticos), e toda vez que entra um novo, sai um velho (excluindo aí os sentimentais)... Nesse troca-troca, levo os velhos e trago alguns que, pela capa ou pelo título, julgo serem bons. Claro que me decepciono muito, mas tenho encontrado algumas coisas bem interessantes.


Esta é Rachel Gutiérrez, gaúcha, pianista, mestre em filosofia. Criou com Ester Scwartz, a Associação dos Leitores e Amigos de Clarice Lispector.
Ela tem um livro muito bom, de poesias, chamado 'Comigos de Mim'.
"Quando você entrou
com flores vermelhas na mão
e dois poemas na pasta
foi como se eu despertasse
de um longo sono sem sonhos
onde se escondia, grávida,
minha poesia."


Este livro do Marquês de Sade é o único em que ele fala de algo de que fugia, o Amor. Mas, pra Sade, é importante "pintar os homens como eles são", e como eles nem sempre são totalmente sádicos, podem se apaixonar.
"Morreu jovem, lamentado pelos amigos, e deu, com esse fim desastroso e prematuro, o cruel exemplo: que a mais doce felicidade do homem... a associação com uma mulher que lhe convém, pode escapar até no seio da opulência e da virtude".




Agora, um clássico: Fanny Hill ou Memórias de uma mulher de prazer, de John Cleland, considerado o primeiro romance erótico moderno. Em formato de cartas e narrado em primeira pessoa pela jovem Fanny Hill, conta as aventuras de iniciação sexual de uma jovem " nem tão inocente assim" que, órfã aos quinze anos, vai para Londres tentar a vida e acaba se tornando uma requisitada cortesã.
Imperdível!


Mais...

10.11.07

Laranja Poderoso


Estávamos eu e uma amiga sentadas, tomando um choppinho, no delicioso Sebo Al-Farábi, quando chegou um casal, vestido com camisas abóboras, perguntando: Vocês conhecem o Laranja Poderoso??????
Eu e minha amiga, antes mesmo de descobrirmos o que era a coisa, já começamos a gargalhar. Aí o cara virou pra mim e disse: Ah, pela risada você já experimentou o produto!!!
Já não bastava só ser paquerada por coroas, agora eu já tenho cara de quem sai com coroas... Não é de todo mentira, mas já tá virando rótulo, e o azul eu até já tinha visto, mas o laranja hehehe...

Seguem algumas pérolas da revistinha do Laranja Poderoso que recebemos neste dia:

- As mulheres falam 546 palavras a mais do que os homens por dia.

- 75% dos homens gostam mais de acordar ao lado de uma morena do que de uma loira.
- 65% preferem gastar sua grana jantando com as morenas. Elas são um retorno mais garantido do investimento.
- 58% dos homens acreditam que as morenas têm mais relações de "uma só noite"que as loiras.
- 29% planejam se casar com uma loira.
- 13% afirmam que têm conversas mais inteligentes com as loiras
- (nota do editor da revista) Esse foi o dado mais surpreendente da pesquisa. Nunca imaginaríamos que a população de loiras inteligentes já chegou a impressionantes 13%.

- O agave azul, planta que é ingrediente da tequila, em estado puro, pode curar câncer de cólon.

- Se a pele do saco escrotal ficou presa entre os dentes do zíper, faça cortes com um alicate nas duas extremidades do mesmo, para liberar a parte móvel e soltar os dentes.
- Se a pele do saco escrotal ficou presa na parte móvel, ferrou. Passe um analgésico no local e force o zíper na direção contrária (ahhhhhhhh).
- A melhor forma de evitar o problema, porém, é simples: basta usar cuecas.

- Nos EUA uma empresa oferece cortes de grama diferenciados: quem empurra os cortadores são mulheres de biquíni. Quer ver? Aqui: http://www.youtube.com/watch?v=4hOsI4jE5YI

- Uma pesquisa da Fundação Cleveland Clinic, nos EUA, constatou que quanto maior o tempo de uso do celular, menor era a produção de espermatozóides. Os estudiosos acreditam que a radiação eletromagnética ou o calor produzido pelo aparelho celular, quando em uso, podem afetar a fertilidade.

- A vardenafila (composto que inibem uma enzima conhecia como fosfodiesterase, fazendo os vasos ficarem mais dilatados e permitindo qeu mais sangue seja enviado ao pênis), ingrediente do laranja poderoso, pode ser tomado com álcool e começa a agir cerca de 10 minutos após a ingestão.

Mais...

3.11.07

Dia e Noite, Noite e Dia

Clique na Imagem

O Relógio
Vinicius e Paulo Soledade

Passa tempo, tic-tac
Tic-tac, passa hora
Chega logo, tic-tac
Tic-tac, vai-te embora
Passa, tempo
Bem depressa
Não atrasa
Não demora
Que já estou
Muito cansado
E já perdi toda alegria
De fazer meu tic-tac
Dia e noite
Noite e dia
Tic-tac
Tic-tac
Dia e noite
Noite e dia

Mais...

2.11.07

Música de Sexta


Folhetim
Chico Buarque

Se acaso me quiseres
Sou dessas mulheres
Que só dizem sim
Por uma coisa à toa
Uma noitada boa
Um cinema, um botequim
E, se tiveres renda
Aceito uma prenda
Qualquer coisa assim
Como uma pedra falsa
Um sonho de valsa
Ou um corte de cetim
E eu te farei as vontades
Direi meias verdades
Sempre à meia luz
E te farei, vaidoso, supor
Que é o maior e que me possuis
Mas na manhã seguinte
Não conta até vinte
Te afasta de mim
Pois já não vales nada
És página virada
Descartada do meu folhetim

Mais...

Supernova



"No universo das paixões
Amor assim é supernova
Certeiro na veia da carne
Da alma, na carne d’alma"
Supernova - Skank




O Gabriel, no site do Pedro Dória escreveu:

Cerca de 100 milhões de anos depois do Big-Bang, o universo já mais ou menos expandido, depois de ter esfriado um pouco dos bilhoes de graus que tinha quando começou, apresentou um fenômeno chamado “decoupling”. Em termos simples, a luz gerada pelo calor era imediatamente absorvida pelas partículas daquela “sopa”, dada a densidade. Naquele momento, a densidade mais baixa permitiu que a luz escapasse e viajasse livre pelo espaço. Hoje, essa luz pode ser detectada, fraquinha, vindo de todas as direçes após ter viajado por 13 bilhões de anos.
Bem, livre daquele calor todo, as partículas (prótons e elétrons, na maioria) puderam se integrar nos primeiros átomos.
Mais de 99% deles eram de hidrogênio (um próton e um elétron - o mais simples possível). O outro 1% quase todo de Hélio.
Em termos moleculares, existe muito pouco que se pode fazer com hidrogênio. No mais, uma ligação covalente entre dois átomos gerando H2 que é o hidrogênio gasoso que existe na Terra. O Hélio simplesmente não se combina molecularmente com nada - nem com o próprio Hélio.
Ou seja; se a coisa fosse estática, moléculas complexas de átomos mais pesados simplesmente nao existiriam. Mas não são estáticas.
Os átomos se aproximaram sob a força da gravidade e, quando geraram uma massa suficientemente grande, o núcleo desta bola começou a esquentar demais sob tanta pressão, iniciando um processo de fusão atômica: os átomos de hidrogênio se combinaram entre si e formaram Hélio, e muita energia.
É o que chamamos de estrela. E é como funciona também a bomba H.
Depois de bilhões de anos (ou milhões, depende do tamanho da estrela - quanto maior, mais rápida a coisa acontece) o hidrogênio do núcleo está quase todo transformado em hélio.
Hélio também se funde, mas para isso, precisa de mais calor, e mais pressão. A estrela colapsa um pouco mais e inicia o processo de fusão de Hélio. A estrela velha, incha pela tremenda pressão da fusão de hélio que vem de dentro e vira o que se chama “Gigante Vermelha”. Gera carbono, oxigênio e outros átomos mais pesados dentro do núcleo.
Making a long story short, quando acaba de vez qualquer chance de gerar fusão de átomos mais pesados ainda dentro do núcleo, a estrela morre. O que vai acontecer com ela depois disso, depende do seu tamanho: se for do tamanho do Sol, simplesmente vai apagando aos poucos, como uma bola incandescente que esfria com o tempo. Se for 5x ou maior, ela não aguenta o próprio peso sem ter uma pressão vinda de dentro, e simplesmente desaba.
Este desabar é tão rápido, tão cataclísmico que gera uma quantidade indecente de calor e energia. Átomos super pesados têm a chance de serem criados neste pequeno instante. E logo depois, a coisa toda explode no que se chama “Supernova”, e tudo vai, literalmente, para o espaço.
Isso significa que neste momento, na história do universo, todo o átomo mais pesado que o hélio, provavelmente se formou no núcleo de uma estrela.
Nós somos formados por átomos de varios tipos, incluindo aqui o hidrogênio, carbono, cálcio, fósforo, sódio e até ferro. Todos eles (fora o hidrogênio) foram criados dentro do núcleo de uma estrela, e chegaram até a nuvem que criou o sistema solar ejetados de uma explosão cataclísmica que selou a vida da estrela criadora.
Somos, portanto, eu, vocês, o Hugo Chaves, a Terra e a Lua, feitos de cinzas de uma gigante estrela morta há mais de 5 bilhões de anos.


Mais...

28.10.07

Eu, ele e o livro

Essa frase foi dita por uma menina que conheci, que está tendo um caso com um gringo, que conheceu nas férias, numa dessas praias paradisíacas do Brasil. Ela não fala uma palavra da língua dele, e ele não falava nada da dela... Das primeiras vezes que se viram, alguém intermediava as conversas, mas o que não precisa ser falado é sempre mais latente, e logo souberam que aquilo não terminaria ali. Ele foi embora, depois voltou, e dessa vez, um intermediário não convinha, foi quando entrou o terceiro ator dessa história, o livro... Esse triângulo amoroso para mim, além de novo, é um mistério.

Ela mesma confessou que se não fosse a vontade dele de aprender português, a conversa seria quase impossível. As traduções do livro ajudavam, embora existam palavras em que a tradução literal nunca é a certa!

E é justamente nestas palavras que eu concentro meu pensamento...

Ontem fui visitar um amigo que morou muitos anos nos Estados Unidos, por lá casou, e agora está de volta, com a mulher dele. Olhando os dois juntos eu não me senti incomodada. Sei que meu amigo adotou a língua dela, e fala inglês como fala português... Nada é igual à língua materna, claro, mas quando a pessoa fica anos e anos em outro país, ela começa a falar uma língua sentimental... Não sei se dá para entender bem, mas a diferença é o sentimento... A diferença entre a moça que me conta que está de caso com um gringo sem conhecer nada da língua dele, e vice-versa, e o amigo que depois de quase dez anos morando fora, casou com uma mulher de lá, é o sentimento, a familiaridade, a paixão pela língua...

Há pouco tempo atrás eu estava num bar com uns amigos e contei a história de um rapaz que trabalhava na mesma empresa que a gente, e que tinha conhecido a mulher no dia do casamento. Eles são da Sahaja Yoga e detalhe, ela é russa!!! Até então eu não sabia detalhes da convivência dos dois, só que aparentemente estão muito bem juntos, com uma filhinha de um mês de idade. Aí, no bar ainda, eu comentei: Gente, não dá! Tem coisas que não se consegue, nem se pode, tampouco se quer falar em outra língua, ainda mais em russo!!!!

Imagina o cara lá no bem bom, de repente ele vira pra mulher e diz: Amor, deixa eu поглотить a sua влагалище!!!!

Alguém se habilita a pronunciar essas palavras?

Mais...

26.10.07

Música de Sexta

Tenho reparado que a maioria dos blogs tem dias temáticos! Para não ficar no lugar comum de usar a quinta-feira (Poema de quinta, pergunta de quinta, etc...), vou postar uma música ou poema às sextas, e como já passa da meia-noite, embora esse blog ainda não tenha entrado no horário de verão, aqui vai a música dessa sexta:



Memória da Pele


João Bosco


Eu já esqueci você

Tento crer

Seu nome sua fala seu jeito seu odor

sua casa sua cama sua carne seu suor

eu pertenço à raça da pedra dura......

sonho em bocas que murmuram

tranço em pernas que procuram enfim

não sou eu, sofro e sei quem se lembra de vc em mim

eu sei, eu sei...

Bate é na memória da minha pele,

Bate é no sangue que bombeia

Na minha veia......

eu já esqueci vc, tento crer,

nesses lábios que meus lábios sugam de prazer

sugo sempre, busco sempre a sonhar em vão

cor vermelha, carne da sua boca, coração.

Mais...

21.10.07

O meme da página 161


Bem, fiquei sabendo no blog do Sérgio Léo, que a nova mania da blogosfera é uma brincadeira (chamada meme), e que o mais novo meme é colocar no blog a quinta frase completa da página 161 do livro que estiver mais perto de você, e repassar isso a outros cinco blogues.

Meme da página 161
1ª) Pegar um livro próximo (PRÓXIMO, não procure);
2ª) Abra-o na página 161;
3ª) Procurar a 5ª frase completa;
4ª) Postar essa frase em seu blog;
5ª) Não escolher a melhor frase nem o melhor livro;
6ª) Repassar para outros 5 blogs.

Ressalto que não concordo com esse termo frase, pois, segundo o Evanildo Bechara, na Moderna Gramática Portuguesa, frase só é frase quando não tem relação predicativa, então só seriam frases coisas do tipo: Choveu muito! Vamos logo! Ande rápido!

Mas, como a brincadeira já foi feita assim, sugiro que se escolha o quinto período, que é o espaço entre uma pontuação e a letra maiúscula inicial do próximo período.

O meu período eu tirei do livro Enterrada Viva, A biografia da Janis Joplin, de Myra Friedman, e é:

"Talvez fosse mais do que isso: era claro que o que havia entre eles ativava os tortuosos pólos da natureza íntima de Janis."

Postem aí nos comentários as quintas "frases" de vocês!!!!

Estou repassando a brincadeira para esses blogs:

Clac's by Clac's
A fim de mim
Adamastor Goldman

Urgente
Batatada Patética

Mais...