12.12.07

liberdade


Ia pra cama com ele como se não fosse vê-lo nunca mais. E era uma última vez.

A próxima sempre vinha, um dia, um mês ou um ano depois, mas poderia não vir, e precisava se acostumar com isso.


Alguns anos se passaram e ainda ansiava ter o maior prazer de sua vida, novamente, pela última vez.

Um dia deitou-se com ele sem se importar se o veria de novo ou não. Não dependia mais dele pra se sentir viva.

Acabou o prazer.

Nenhum comentário: