26.12.07

Papos alheios


Cenário: Ônibus lotado, há umas semanas atrás.

Personagens: A mãe e a filha grávida. Eu, como ouvinte discreta.

Cena: Sentadas no último banco do ônibus, a grávida, a mãe e eu. Nessa ordem. A grávida segura uma revista de quartos de bebê.

Diálogo:

(Filha) _ Olha que lindo esse fusquinha de lembrancinha...
(Mãe) _ É.
(Filha) _ Eu quero tudo azul.
(Mãe) _ É... Você preferia menina né?
(Filha) _ Às vezes sim, às vezes não. Menina dá muito trabalho. Tem que ter muita coisa.
(Mãe) _ É.
(Filha) _ O que você acha de João Pedro?
(Mãe) _ ...
(Filha) _ Se bem que João Pedro é o nome da filha da Aninha. Pensei em João Vítor então.
(Mãe) _ Tem que ser João?
(Filha) _ Sim.
(silêncio)
(Mãe) _ E tem que ser nome duplo?
(Filha) _ Sim.
(silêncio)
(Mãe) _ Você não tem cuidado da sua beleza. Olha esse cabelo, está uma palha.
(Filha) _ É.
(Mãe) _ Você não está feliz.
(Filha) _ Eu estou feliz com meu filho, mas não estou feliz comigo nem com a família do meu marido.
(silêncio)
(Mãe) _ Isso é porque o Rodrigo não bota dinheiro na tua mão. Se ele botasse dinheiro na sua mão, você ia lá, fazia uma escova e ficava feliz rapidinho...

4 comentários:

Patolinus Pato Bolha disse...

Amei isso, ri muito!!!!!!!!!!!

Nat disse...

Sóter, querido, saudades... Muito bom, né? Eu estou me especializando em ouvir conversas alheias hehehe

Fred disse...

hehehehe

Verdade falsa, porém verdadeira....

Viche santinha, viu como piorei la na clínica?

Klotz disse...

Ouvir conversa alheia é um barato.

E barato mesmo é ler blogue alheio.