3.1.08

Como chegar ao paraíso... parte II

Tome um mapa, você vai precisar.
Paciência para a lentidão do trânsito até passar a entrada da Região dos Lagos e mais paciência para encarar a pista única até a entrada de Carapebus.
Passe pela cidadezinha que consegue a proeza de não ter evoluído nada nos últimos 15 anos e entre quando ler PRAIA ou Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba.
Aí a estrada já é de terra, digo barro. Vá seguindo e na dúvida, entre sempre à direita.
Quando você achar que está perdido porque só vê canaviais de um lado e do outro da estrada, relaxe, você está no caminho certo, mas não relaxe demais porque você ainda pode se perder.
Quando você sentir o cheiro de saudade e vir a areia branca, está perto. Quando o seu coração palpitar, a garganta fechar, e você sentir uma paz estranha de repente, você chegou.
O cheiro é característico. Cheiro de calma, de felicidade, de sossego. Entre na segunda rua depois do quebra-molas e vá até o final, quase na lagoa. Estacione o carro, arrume as coisas no quarto, e pare para apreciar a vista da janela
Mas este seria apenas mais um lugar bonito, você pode pensar... Então coloque umas cem pessoas da sua família. Cem não, tá fácil isso. Duzentas, ou mais.
Mas não coloque pessoas tristes, coloque pessoas alegres, radiantes, criativas, interessantes. Coloque várias casas enfileiradas para abrigar as pessoas da sua família. Coloque uns amigos dos primos de visita, coloque um clube para dançar, um bar para beber (não esqueça da cerveja gelada) e da mesa enorme para todos beberem juntos. Coloque uma mesa de sinuca, totó e ping-pong, uma bola e quadra de futebol. Um joguinho de buraco interminável e umas vinte crianças pequenas gritando e terás felicidade completa.
Calma, ainda não. Coloque um pôr-do-sol estonteante no cômoro. Coloque um céu infinitamente estrelado depois dele, com tantas estrelas que você nunca achou possível ver. Coloque a lua nascendo na lagoa. Aproveite para ver a fosforescência. Seus filhos provavelmente não vão saber o que é, então veja você, para poder contar para eles com olhos saudosos de tempos escuros e praias desertas.
Não esqueça de colocar também os primos mais chegados, umas redes em buracos na areia, a mesa de sinuca velha crepitando na fogueira, e um violão com música boa, sempre.
Aprenda que a estrela-mor da constelação de Leão é a Régulos. Aprenda onde ela fica no céu pelo menos por uma noite, porque depois você não vai vê-la mais.
Acorde com o calor da brasa da fogueira. Tome um banho de mar demorado para curar a ressaca, sente-se na areia e veja o mundo amanhecer lá de cima.
Nesta hora você vai saber que chegou ao paraíso.

3 comentários:

Fred disse...

Lindo.

Como carioca nunca ouvi nem falar.

beijos

Nat disse...

Fred, que bom que gostou da minha terapia ;- )

Pax disse...

Putz, nunca tinha ouvido falar também.

Belo texto e belas fotos Nat. Hiperbólicos!