26.1.08

Visão

Eles se conheciam já há alguns anos. Não eram muito amigos, mas conversavam frequentemente. Ela não tinha nenhum pré-conceito sobre ele. Na verdade, ele não a interessava muito, era somente mais alguém.
Um dia ela o olhou e finalmente o viu. E o que viu foi revelador.
Daquele em dia em diante ela passou a se questionar qual seria a ordenação do ver. O andar dele, que antes lhe parecia normal, passou a ser elegante. Começou a reparar na maneira como ele se vestia. As coisas que ele falava passaram a ter conotação especial, como se um sinalzinho de prioridade com bandeirinha vermelha tivesse sido acionado na caixa de correio dos seus sentimentos. Seus beijos de mero cumprimento pareciam mais demorados e tinham um significado completamente singular...
Qual dos seus sentidos teria visto antes dos outros? O que fizera despertar nela um súbito interesse por ele? No íntimo sabia ser o cérebro o causador de tudo, tinha descoberto nele uma inteligência apurada e interessante, quase como descobrir vida em Marte, ou algo do gênero. A partir disso todos seus outros cinco sentidos (sim, a intuição também dera seus palpites) foram doutrinados a agirem de acordo com o que ordenava seu intelecto.
Neste caso tinha sido assim, mas em outros, a visão tinha acontecido com outras partes do corpo. Um frio na espinha, um olhar devorador, um sussurro no ouvido, um toque casual de mãos. Mas estes logo se arrefeceram. Quando o cérebro é quem vê, a coisa fica mais perigosa, porque o cérebro é capaz de manipular desejos, de controlar todos os sentidos.
Na verdade, pensou nisto só no começo. Logo depois o que importava (e incomodava) mesmo, era o desejo de que ele visse também.

Foto: Jan Saudek

Um comentário:

Medina disse...

Nat,
ótimo texto. Muito interessante como você conseguiu verbalizar bem esse processo de "mudanças" que nos acometem quando bate o interesse/amor/desejo/seja lá como se quer chamar.
Muito bom, também, o post anterior. Também pra mim a música "Capitão de indústria" tem feito muito sentido.
Mais uma vez, meus parabéns.