6.1.08

Juro que não sou ímpio

Por Roberto Klotz


Outro dia fiquei indignado ao me chamarem ímpio. Tenho fé, eu acredito e penso que cada um tem o direito de escolher no quê acreditar. Trevo de quatro folhas, pé de coelho, figa, Papai Noel, estrela cadente, Nossa Senhora da Pá Virada, patuá, vudu espetado, quadrados mágicos, escapulário ou o poder estimulante da casca de amendoim torrado.
Na minha cozinha tenho um santuário. É um cantinho no meio dos armários que forma um pequeno triângulo onde acomodo velas, folhas de arruda, três búzios e uma garrafa de Coca-Cola. È um exemplar adquirido em um antiquário. Disse-me o vendedor, conferindo legitimidade à minha imagem, que a aquela garrafa foi resgatada sob a poeira de um bar falido da Rota 66, em pleno deserto do Arizona.
Sempre termino meus dias com uma oração à minha santa agradecendo o lado Coca-Cola da nossa vida.
Esse refrigerante faz parte da minha vida. Ainda pequeno eu consumia Coca-Cola família que rendia quatro copos ou mais. Anos mais tarde bebia de uma enorme garrafa com um litro. Que foi superada pelo litrão, com 1,2 litros. Que por sua vez foi substituída pela garrafa de um litro e meio. Eu nem me lembro quando substituíram o vidro pelo plástico. Inicialmente com aquele fundo preto para dar resistência. O que importa é que a garrafa pet, de dois litros domina o mercado embora eu prefira o vasilhame de dois litros e meio. Mas o meu sonho de consumo, é ter em casa, uma torneira com Coca-Cola gelada encanada.
Já recebi pela internet várias correntes anunciando o poder milagroso do liquido marrom. Dizem que ele faz desaparecer um osso, quando imerso por dois dias e que um dente-de-leite some em uma semana. Informam também que é um poderoso anti-séptico (ou será anticéptico) utilizado nos motores dos caminhões dos distribuidores do fabricante. Informam que o milagre mais comum acontece com os patrulheiros rodoviários americanos que têm à disposição dois galões do precioso liquido no porta-malas para apagar vestígios de sangue nas estradas após acidentes. È por essas e outras que eu acredito no poder da Coca-Cola.
A Coca-Cola é um santo remédio. Quando estamos solitários nos faz companhia e quando estamos em grupo transmite alegria. Na minha cozinha tenho um local destinado aos vasilhames do refrigerante. Infelizmente só disponho de espaço para uma dúzia e meia. A base do armário é sensível ao peso. De forma que quando acusa peso menor que seis quilos, equivalente a três pets, um luz vermelha se acende. E quando o peso é menor que quatro quilos além da luz vermelha um alarme sonoro agudo dispara indicando alerta máximo. È necessário repor o estoque imediatamente por ameaça de colapso do sistema nervoso.
Contei toda esta história apenas para que não haja dúvidas de minha religiosidade e fé.
Pois outro dia aconteceu uma tragédia. Eu ia receber visitas logo mais à noite e a cozinha estava brilhando limpeza. Agora a geladeira também estaria bem alimentada com as compras do supermercado empilhadas pelo chão da cozinha. Num ritual de prêmio dou-me ao direito de abrir um delicioso refri ao chegar em casa com a dolorosa tarefa da compra realizada. Foi aí que a tragédia teve início: a Coca recém adquirida explodiu em vulcão molhando minha cara, a camisa, a calça, o armário e as compras ainda não guardadas. Nem em desenho animado encenariam tsunami tão catastrófica.
Cheguei à conclusão que houve vingança da deusa Coca-Cola. Sempre fui temente aos deuses e agora recebi a prova definitiva: a deusa Coca-Cola é vingativa. Provoquei a ira dos deuses. Inadvertidamente tomei um gole de Pepsi no supermercado.
As gotas escorridas contrastaram no branco armário deixando uma cruel mensagem: “Não terás outros deuses em desafio a Mim”.
Apavorado, ajoelhei-me e jurei que não sou ímpio: Coca-Cola, isso é que é.

3 comentários:

Fred disse...

Doidim, doidm,. mas ri pacas.
Mais legal ainda é que enquanto a figura foi abrindo devagarinho de cima para baixo e eu vi umas garrafas de coca lado a lado.
Quando acabou de abrir vi que era a turma rezando.
Ri de doer.
Brigadinho - comecei bem o dia - beijos

Fred disse...

Passei no blog do Klotz - legal

Klotz disse...

Hoje vim fazer uma visita ao seu blogue.
Você escreve de montão. Nossa. E com qualidade.
Um beijo para você, mocinha.