26.1.08

O descaso público com as pagadoras de cofrinho

É notório e sabido, além-mar inclusive, que os brasileiros gostam de bundas. Grandes e enormes bundas. O fato é que estes mesmos brasileiros não sabem valorizar uma boa bunda. E neste brasileiros eu estou incluindo principalmente os que ditam, desenham e fazem a "moda".
Como em todos os setores negociais hoje em dia, a moda é uma série de compilações e reescrituras de coisas lançadas lá fora. Mas as pessoas se esquecem que uma calça jeans usada por uma brasileira não pode ser a mesma que uma americana. Entre essas duas há uma fundamental diferença: o tamanho da bunda. E não pensem que estou superestimando as brasileiras, não é isso, o que acontece é que realmente temos as bundas maiores, por incontáveis motivos, inclusive os genéticos.
Mas isso não é de agora, claro. O que acontecia antes era que o padrão da moda era menos prejudicial às bundudas. Com as cinturas mais definidas, a bunda da mulher brasileira ficava ainda mais valorizada. Era a época do corpão violão. Mas aí os vestidos foram perdendo a vez, as calças foram abaixando o cós, foram diminuindo de tamanho até chegar ao que é hoje.
Uma mulher com uma bunda grande quando sai para comprar uma calça tem que se munir com toda a paciência do mundo. O que vai acontecer é o seguinte: Se ela tiver quadril largo acompanhando a bunda grande, a calça vai passar pela coxa e não vai passar pelo quadril. Quando ela passa pelo quadril, fica larga na coxa e com aquele papo parecendo que tem algo que não deveria ter entre as pernas. Finalmente, quando fica boa na coxa e no quadril, a mulher leva a calça pra casa, mas sabe que não vai poder sentar, senão vai logo vir alguém no seu ouvido: Fulana, você está pagando cofrinho!!!
Acredite, nós, as pagadoras de cofrinho, só queríamos que as pessoas passassem por um dia pela sensação de ter que se levantar toda a hora pra puxar a calça pra cima (como se adiantasse), ou ficar abaixando a blusa, colocando cinto, pendurando casacos na cintura...
Mas sabe o que é pior???? Uma pagadora de cofrinho jamais pode se dar ao luxo de sair de casa com a primeira calcinha que encontrar. A chance de que alguém veja a dita cuja, sem que isso seja um ato prazeroso, é enorme.
Não se engane, isto é um manifesto. Um manifesto contra o descaso público com as pagadoras de cofrinho. Como sofrem essas mulheres, que tem que passar dias pra comprar uma calça razoável, porque nunca será decente. Que são humilhadas pelas amigas que finalmente encontram um motivo para se sentirem felizes por serem desbundadas. Que não têm o direito de usar uma calcinha velha. E, por último, mas não menos importante, que são obrigadas a revelar partes íntimas do corpo, não por vontade, mas por serem vítimas da opressão da indústria da moda.
Mas eu também não me engano. Provavelmente poucas pessoas lerão isto aqui, e considerando os frequentadores deste blog, serão todos homens, que jamais terão a sensibilidade suficiente para aderirem ao protesto. Pior, é capaz de um destes amigos sacanas ficar puto comigo, tentando garantir aos homens o direito de desfrutar cofrinhos furtivos por aí...
Realmente, alguns deles até valem a pena...

7 comentários:

Adamastor Goldman disse...

Natália minha cara, o problema é que as mulheres e suas bundas deveriam ditar a indústria da moda, e não obedecê-la.

Se a indústria as obriga a esconder seus cofres, ora, as mulheres deveriam revidar com estilo. Não queimaram sutiãs e mostraram os peitos em woodstock? Então, tá na hora desse povo bronzeado mostrar seu valor. O cofrinho, assim como o top less, deveria ser sinal de civilidade e demonstração da convivência pacífica entre os sexos.

Mulheres, mostrem-nos o que têm de melhor! Dêem-nos os segredos dos seus cofres!

E tenho dito.

Nat disse...

Hahahaha Adamastor querido, sabia que vc seria o primeiro a se pronunciar ;- )

Natalia Ferreira disse...

Nat, até que enfim alguém se pronunciou em prol das pagadoras de cofrinho!!!!! Depois de tanta humilhação me sinto até revigorada. Eu concordo com o adamastor, devemos liberar nossos cofrinhos e ser felizes!!!!

pingwyn disse...

Nat, se voce acha dificil comprar calcas ai no Brasil, vem para ca e vai viver o pesadelo que e tentar entrar nas calcas do pais das que nao tem bunda...impossivel...

Nat disse...

Nat querida, lance o movimento... Mas se é pra pagar cofrinho, melhor que se ande só de calcinha por aí hehehe

Gwyn, já estou com pena de vc, pq se pra mim aqui já é tão difícil... Na Inglaterra deve ser terrível. Aí só tem desbundados hahahahaha

Anônimo disse...

nat deixeme empurrar uma moeda em vç

douglas disse...

nat quero seu corinho pra mim