6.2.08

Quarta-feira de Cinzas

Soneto de quarta-feira de cinzas
Vinicius de Moraes

Por seres quem me foste, grave e pura
Em tão doce surpresa conquistada
Por seres uma branca criatura
De uma brancura de manhã raiada

Por seres de uma rara formosura
Malgrado a vida dura e atormentada
Por seres mais que a simples aventura
E menos que a constante namorada

Porque te vi nascer de mim sozinha
Como a noturna flor desabrochada
A uma fala de amor, talvez perjura

Por não te possuir, tendo-te minha
Por só quereres tudo, e eu dar-te nada
Hei de lembrar-te sempre com ternura.

Saí pro trabalho antes das 8h30 da manhã hoje, e andando pelas ruas desertas, a chuva caindo, me lembrei desse poema do Vinicius, que eu adoro.

Ele faz parte da minha Antologia Poética Particular do poetinha

Qualquer pessoa pode fazer a sua, no site do Vinicius. E ainda dá pra bisbilhotar as Antologias de gente famosa.

3 comentários:

Fred disse...

Oi Nat

Tenho vindo aqui mas ando meio enrolado.
Sua atividade esta linda.
Estou apreciando de montão mas me perdoe se não comento.
Estou enrolado mesmo.

Beijão

Nat disse...

Querido Fred, tenho percebido que estás sumido mesmo. Relaxe, eu te perdôo! hehehehe
Volte sempre e mais.
Bjs

rafael disse...

Se eu pudesse escolher que vida viver não precisaria pensar duas vezes: a do Vinícius.