28.3.08

Puta, vide Bula.

Texto proibido para menores de 18. Mais uma das pérolas que leio sempre lá no GP Guia. O autor é o Colega_X.

Se você tem mais do que isso e concorda com todos os termos blá blá blá whiskas sachê, clique aí no Mais...

Se você tem menos de 18 seja bonzinho e finja que vai me obedecer e não vai clicar no Mais..., ok?

APRESENTAÇÃO: PUTAS são apresentadas em embalagens loiras, morenas, negras e mestiças, em diversos tamanhos e formas variadas, dependendo da necessidade do tratamento. As vias de administração podem ser oral, vaginal e/ou anal. O uso tópico do produto é administrado na forma de “foda espanhola” e relaxamento manual básico. O produto é disponibilizado em sites especializados, jornais, puteiros, breguinhas, e no pistão.

COMPOSIÇÃO: Indivíduo do sexo feminino, da espécie homo sapiens ou quasi-sapiens, primata bípede pertencente à classe mammalia, o que condiciona à ocorrência de tetas nas fêmeas. No que interessa aos aspectos terapêuticos, são providas basicamente de mãos, cavidade oral, vulva, vagina e ânus. A indisponibilidade de algum dos componentes não inviabiliza o uso satisfatório do produto. Disfunções em órgãos acessórios e alterações anatômicas são bem toleradas pelos pacientes, sendo relatada a utilização de mudas, caolhas, pernetas, banguelas, monotetas e anãs. Mega-hair e silicone são os itens opcionais, não naturais, mais comumente encontrados.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE: A Puta é recomendada no tratamento de estados de solidão crônica ou aguda, como atenuante de crises existenciais em processos de separação conjugal, em casos de indisponibilidade temporária ou permanente de uma “fodinha” básica, e quando a patroa ou a namorada não estão dando conta do recado. Pode também ser utilizada para efeito recreativo em eventos comemorativos. Pacientes demonstraram redução significativa de estados de ansiedade, irritação, depressão e sintomas associadas a crises de “fodistério” após administração de PUTA em doses única ou em tratamentos prolongados. Também é indicado em dose única para aliviar os sintomas de “inchaço do saco” devido ao desuso continuado e intumescimento matinal do corpo cavernoso “tesão de mijo”. Os principais sintomas da falta de PUTA são irritação, falta de concentração, aumento significativo na freqüência e duração de olhadas para as bundas das colegas de trabalho, aumento da freqüência de pegadas involuntárias no pau, redução significativa dos critérios de seleção de mulheres e aumento considerável da coragem para passar uma cantada.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS: O princípio ativo da PUTA é a estimulação da libido masculina. A libido é normalmente estimulada pela percepção visual e tátil, motivo pelo qual as PUTAS se vestem como PUTAS e permitem pegações moderadas. PUTAS desinteressadas, pouco receptivas e tiradas a patricinhas tendem a despertar menor interesse em indivíduos “normais”. Alguns indivíduos reagem positivamente à PUTA com cara de PUTA, à PUTA tirada a gostosa e PUTA problemática. O prazo de validade da PUTA é de 35 anos se mantidas as condições adequadas de conservação. Utilização fora do prazo de validade implica em redução significativa de seu efeito terapêutico.

INDICAÇÕES: PUTA, desde que corretamente administrada, é indicada no tratamento de estados de estresse, solidão, atenuante de complicações conjugais, alívio de incômodo indescritível no saco escrotal, redução de efeitos do “tesão de mijo”.

POSOLOGIA E ADMINISTRAÇÃO : A dose de PUTA deve ser individualizada com base na gravidade dos sintomas e na resposta do paciente ao tratamento. A dose habitual para a maioria dos pacientes em tratamento é de uma dose semanal, podendo chegar a duas ou mais doses nos casos mais graves. Recomenda-se dose eficaz mais baixa para pacientes idosos e debilitados fisicamente. Doses superiores à dose única diária podem ser administradas em tratamento em grupo do tipo “suruba”. No tratamento de distúrbio de comportamento do idoso acima de 65 anos, é recomendada meia dose de PUTA, que consiste em ficar passando a mão na bunda, pegar nos peitinhos, e botar a PUTA para chupar o “pau mole do véio”.

CONTRA-INDICAÇÕES: PUTA é contra-indicado em pacientes sensíveis. Estudos demonstram que 99,9% dos pacientes que se compadecem da situação e querem auxiliar de alguma forma se arrependem profundamente decorrido o prazo de validade do produto ou após levar um balão da PUTA. A utilização de PUTAS em condições de desequilíbrio financeiro tendem a agravar os sintomas. PUTA que faz “cu doce” deve ser usada com cautela em casos de diabetes.

PRECAUÇÕES NO USO: ATENÇÃO: O uso freqüente e continuado de PUTA causa dependência. Observações clínicas demonstraram que o uso continuado de PUTA pode provocar dependência física e psíquica, além de severos desequilíbrios financeiros. A utilização de preservativo é recomendada na prevenção de efeitos colaterais adversos. É recomendado o uso de lubrificantes em casos de secura aparente, ou de utilização do “furico”. Em caso de indisponibilidade eventual do produto pode-se recorrer à velha cusparada na cabeça do cacete ou no olho do cu, sendo recomendado neste caso, que o paciente tenha apenas uma mira razoável. Pacientes sensíveis a odores característicos devem evitar a utilização de vias alternativas.

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS: Quando administrada concomitantemente com companheiras antenadas e ciumentas, sejam esposas, namoradas, ou periguetes, a utilização continuada de PUTA pode produzir desentendimentos, irritação por controle excessivo, mal estar e, nos casos mais graves relatados em literatura, pode culminar com separação conjugal. A utilização com medicamentos indicados para disfunção erétil potencializa os efeitos esperados da PUTA. A utilização associada a bebidas alcoólicas mostrou, em um grupo de pacientes, dificuldade de atingir a resposta orgásmica antes da PUTA perder a paciência, conhecido como efeito de “encruamento”, já em outro grupo de pacientes observados, a associação com quantidades elevadas de álcool provocou flacidez brauliana.

REAÇÕES ADVERSAS: Na maioria dos casos, o uso continuado da mesma PUTA provoca enjôo, sendo necessário tocar o princípio ativo a cada nova dose. Quando a PUTA é mal resolvida, o uso pode desencadear estados irritadiços, estresse momentâneo, arrependimento e depressão pós-foda. Após o coito são esperadas, por parte da PUTA, reação de evasão imediata do recinto, sendo apresentadas as mais esfarrapadas desculpas. Nestas condições, alguns pacientes, após o uso, apresentam desejo hipoativo e sintomas de evitação fóbica, com o surgimento repentino de uma vontade quase incontrolável de mandar a PUTA para a pu-ta-que-pa-riu.

SUPERDOSAGEM: Manifestações decorrentes de superdosagem incluem fadiga física, problemas de relacionamento, problemas conjugais e desequilíbrio financeiro. Em casos de complicações por superdosagem recomenda-se suspender imediatamente a administração do produto e voltar a velha e boa punheta.

Todo medicamento deve ser mantido fora de alcance das crianças.

2 comentários:

Medina disse...

uhauhauhauha
Muito bom!!
faltou só dizer que
"A persisitirem os sintomas, um médico deve ser consultado" ou, quem sabe, "outra dose deverá ser ministrada"
huahuahau

Mariana disse...

não está bem que se trate assim as mulheres... É legal o invento que fizeram como se fosse um medicamento como o propatilnitrato, mas não o conteúdo com todas as coisas que escrevem sobre as mulheres...