24.3.08

Soneto do Se

Se me espera com paciência,
se me ama com sinceridade,
se deseja paz, felicidade
dada a poucos em existência.

Se ri dos risos, total carência
de quem não vê possibilidade
de não chorar ante a verdade
da sua amarga decadência.

Se acredita no meu carinho,
se não liga pros anos vividos
a mais em prazer, experiência,

Se quer prazeres incontidos
de um amor na adolescência,
eu não vou deixar você sozinho.


07/2001

5 comentários:

Pedro Carné disse...

Hey you! Gostei muito do seu blog! Que faculdade você faz?
Um beijo!

Nat disse...

Obrigada, Pedro. Produção Cultural na Cândido.

Sergio Leo disse...

Ê Natália! A exposição (de uma obra só, na verdade, e de um coletivo, será em setembro. Vou checar as datas depois, para ver se v. não pode aproveitar o Dia da Pátria... Seremos seus cicerones, com muito gosto!

beijão

Samoça disse...

Oi Nat,

Achei lindo, se...
Se é só a vaga idéia de estar emocionando... né não.
Você emociona.

Beijo.

Nat disse...

Serginho, anotadíssimo. E vou adorar ser ciceroneada por vocês!!!

Dona Samoça, você me deixa encabulada hehehehehe Mais uma vez, obrigada!