6.12.09

Paixão

Não nego, sou uma mulher apaixonada por futebol. Acho que é genético e vem lá da minha bisavó que era flamenguista fanática e colecionadora ferrenha dos álbuns da Revista Placar. Dona Zilca sentava-se na sala, com a recém-comprada TV na frente e um radinho no ouvido, mas vocês se enganam se pensam que era para ouvir pelo rádio a narração do jogo transmitido na tv, ela queria era ouvir dois jogos ao mesmo tempo, apaixonada que era pela arte de conduzir a bola, seja por que time for...


Já comentei sobre futebol algumas vezes por aqui, mas quando me desafiaram a escrever sobre as oito coisas que faria antes de morrer, escolhi, entre outras coisas, fazer um gol de barriga aos 47 do segundo tempo, pelo Flamengo (é claro) em um maracanã lotado (pela minha imensa frustração pelo gol do Renato quando eu já estava comemorando o título estadual)... O maracanã lotado já é algo que me fascina, me arrepia inteira, me emociona e me leva às lágrimas, mas fazer parte dessa grande nação rubro-negra, e é um clichê, é uma honra inenarrável; Poucas são as torcidas ao redor do mundo que conseguem realizar tamanho espetáculo.

Parabéns, Flamengo! Somos hexacampeões!!!!

Um comentário:

Adamastor Goldman disse...

Eu sempre digo que quero fazer 3 coisas antes de morrer: bater o recorde mundial dos 100 metro rasos, pisar na lua e marcar um gol de falta aos 43 minutos do segundo tempo numa final contra o vasco.

Saudações rubro-negras!